segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Um berço esplêndido ao sorrir das manhãs para poucos

Marcos Antonio Dantas de Oliveira[1]


 “A humanidade, nessa Terra, não pode estar reconciliada com ela própria enquanto o luxo de alguns insultar a pobreza de quase todos”, afirma Raymond Aron [2016]. Então, o Brasil necessita reconciliar-se com o Grito do Ipiranga:

Ouviram do Ipiranga as margens plácidas
De um povo heróico o brado retumbante
E o sol da liberdade, em raios fúlgidos
Brilhou no céu da pátria nesse instante

Se o penhor dessa igualdade
Conseguimos conquistar com braço forte
Em teu seio, ó liberdade
Desafia o nosso peito a própria morte!
É o quê os índios, os quilombolas, as quebradeiras de coco, os pescadores artesanais, os seguidores das religiões africanas, as crianças e os adolescentes e outros que são pretéritos e perseguidos, diuturnamente: uma vida em caos – http://veja.abril.com.br/especiais/amazonia-o-que-pensa-quem-vive-nela/

Ó pátria amada
Idolatrada
Salve! Salve!
Mais de 100 mil pessoas vivem nas ruas desse Brasil – http://gazetaweb.globo.com/gazetadealagoas/noticia.php?c=310703.

Terra adorada
Entre outras mil
És tu, Brasil
Ó pátria amada!
É Pátria amada para quem está desempregado, no subemprego, no emprego ilegal, no emprego de um salário mínimo? -http://epocanegocios.globo.com/Economia/noticia/2017/07/epoca-negocios-taxa-de-desemprego-fica-em-13-no-trimestre-ate-junho-diz-ibge.html

Dos filhos deste solo és mãe gentil
Pátria Amada
Brasil!

Ó pátria amada
Idolatrada
Salve! Salve!
Dos grileiros que nos roubam uma importantíssima riqueza pública, os recursos naturais sob a guarda do Estado – https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/261686/Maior-grileiro-do-Pa%C3%ADs-operava-dos-Jardins-em-SP.htm
E dos governos que por sua ineficiência, os biomas: amazônico, atlântico, caatinga, manguezal, cerrado, pampas, por exemplo, continuam ameaçados de desaparecerem pela onipresença da ética de compadrio que vigora no balcão de negócios dessa República - ora por insegurança jurídica, por arremedos de fiscalizações e por atuação conjunta de governo e de grileiro. Governo Temer sanciona Medida Provisória (MP) 759/2016, também conhecida como MP da Grilagem –

Mas, se ergues da justiça a clava forte
Verás que um filho teu não foge à luta
Nem teme, quem te adora, a própria morte
Daí a luta, dia a dia, dos que dispõem de pouquíssima riqueza privada [propriedade privada, tecnologia, produção e consumo de bens e serviços, renda] e de riqueza pública [preservação dos ativos naturais, patrimônio imaterial e uso dos tributos]. E aqui se encontram os beneficiários da Lei 11.326/2016 –

Dos filhos deste solo és mãe gentil
Pátria amada
Brasil
Que gentil para os parlamentares que se apropriam dos tributos da sociedade –http://reporterbrasil.org.br/2017/06/empresas-de-deputados-e-senadores-devem-r-372-milhoes-a-previdencia/
Por outro lado, uma mãe nada gentil, pois, a concentração de renda cresce de vertiginosamente em benefícios de uns pouquíssimos, enquanto muitíssimos vivem penúria social crescente. Tal situação exige a onipresença da cidadania para o cumprimento do contrato social posto ou por um novo contrato em que floresçam e dispersem as instituições inclusivas, essas, quando políticas "asseguram a ampla distribuição do poder e restringem seu exercício arbitrário", quando econômicas "geram uma distribuição mais equitativa de recursos, facilitando a persistência de instituições políticas inclusivas", descreve-as Acemoglu e Robinson –http://g1.globo.com/economia/noticia/2016/10/concentracao-de-renda-cresce-e-brasileiros-mais-ricos-superam-74-mil.html

E no estado de Alagoas essas instituições econômicas e políticas extrativistas reinam absolutas ao sorrir das manhãs, confirmando que,

                              Alagoas, estrela radiosa
Que refulge ao sorrir das manhãs
É para pouquíssimos – não é uma estrela radiosa para dezenas de milhares de crianças e de jovens que vivem em mal-estar – http://g1.globo.com/al/alagoas/noticia/al-e-o-estado-do-nordeste-com-mais-criancas-e-jovens-em-situacao-de-pobreza-diz-pesquisa.ghtml

Da República és filha donosa
Maga estrela entre as estrelas irmãs

Algumas estrelas irmãs acabam baleadas em assalto –
http://g1.globo.com/al/alagoas/noticia/adolescentes-sao-baleados-ao-tentar-assaltar-acougue-em-arapiraca-al.ghtml

Tu liberdade formosa
Gloriosa hosana entoas
Salve, ó terra vitoriosa
Glória à terra de Alagoas
E outros privilegiados são agraciados com renúncia fiscal com o tributo pago pelos contribuintes –    http://reporternordeste.com.br/blogs/odilonrios/renuncia-fiscal-em-al-somara-r-520-milhoes-ate-final-do-ano-seminario-analisa-efeitos/

Salve ó terra que entrando no tempo
Calma e ovante da indústria te vaz
Dando as tuas irmãs este exemplo
De trabalho e progresso na paz
Que trabalho, progresso e segurança jurídica, se a taxa de produtividade é de 58,4%, pontuação suficiente para deixar o TJ-AL em quinto lugar dos tribunais mais improdutivos – http://www.anoticia.online/2017/09/07/tribuna-de-justica-de-alagoas-e-um-dos-mais-ineficientes-do-pais/
Ademais, as políticas públicas são eficientes em promover o mal estar pela baixa qualidade dos serviços prestados, principalmente, às crianças: da saúde pública à educação, da segurança pública ao lazer, do emprego à renda, a miséria campeia e de modo vigorosa na zona rural devido à onipresença do príncipe – 

Tu liberdade formosa
Ao trabalho, hosana entoas
Salve, ó terra futurosa!

Glória à terra de Alagoas
Em diplomação, Renan Filho prega união e convoca nova emancipação de Alagoas pelo fim da miséria. Três anos depois, Alagoas, tem o pior IDHM do país, segundo o Ipea –
http://g1.globo.com/al/alagoas/noticia/2016/11/idhm-de-alagoas-no-periodo-de-2011-2014-e-o-pior-do-pais-aponta-ipea.html

Decerto que, para problematizar o bem-estar é necessário que qualquer atividade e função desempenhadas no processo de desenvolvimento sustentável pelos agentes sociais, econômicos e governamentais resultem no bem-estar pelo usufruto dos bens primários propostos Rawls [Uma Teoria da Justiça] – autoestima, inteligência, imaginação, saúde e vigor, oportunidades, renda, riqueza, liberdades, direitos.

De modo que, o Banco Mundial e a Cruz Vermelha [2005] fizeram um estudo para avaliar a prosperidade nos países e concluíram: no Brasil, os recursos naturais são responsáveis por 18%, nos Estados Unidos e na Europa 2%, cada um; os bens de capital, respondem por 14%, 13% e 17%; o capital humano e a eficiência de governo somado atingem 68%, 85% e 87%, respectivamente. O quê confirma que no Brasil, o usufruto dos bens naturais é mal usado e sujeito à grilagem [a quem serve o Cadastro Ambiental Rural?]; como é baixo o usufruto dos bens de capital, do capital humano e da eficiência do governo, principalmente, pelos 3,9 milhões de beneficiários da Lei 11.326/2006 –http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/09/1916858-desigualdade-no-brasil-nao-caiu-desde-2001-aponta-estudo.shtml

Brasileiros! Mulheres e homens, jovens e crianças, desobstruam as relações que corroem o desempenho de suas capacidades básicas e de fazer escolhas, dia a dia, devem mitigar, superar ou erradicar a onipresença da ética de compadrio; o extrativismo das instituições privadas e estatais; o fiasco das políticas públicas de educação, saúde e segurança públicas, emprego e renda, de proteção à criança; o narcisismo na comunicação pública – o narciso empobrece cada vez mais o brasileiro, o nordestino, o alagoano, o agricultor familiar, a criança!

Pátria amada
Brasil.






[1] Mestre em Desenvolvimento Sustentável [engenheiro agrônomo], professor da Universidade Estadual de Alagoas/UNEAL, membro da Academia Brasileira de Extensão Rural/ABER, diretor do Sindagro, Blog:   sabecomquemestafalando.blogspot.com 


28 comentários:

  1. Um texto vibrante que mostra o fosso entre a utopia escancarada no hino e o estado de mal-estar da grande maioria dos brasileiros. Toninho

    ResponderExcluir
  2. E a nossa indisposição para exercer a cidadania. Carlos

    ResponderExcluir
  3. interessante o formato usado para falar de utopia e pobreza. Susanna

    ResponderExcluir
  4. Criativo esse formato! Vera

    ResponderExcluir
  5. Longe da realidade os hinos, mas o texto o coloca na mesma dimensão. Jason

    ResponderExcluir
  6. Gostei porque nos deixa atento à leitura. Rosa

    ResponderExcluir
  7. Nos provoca cada vez mais, aplausos! Ricardo

    ResponderExcluir
  8. Nos revela o trade-off entre promover o bem-estar e o mal-estar. Humberto

    ResponderExcluir
  9. Acertou em cheio os problemas dos brasileiros e possíveis soluções. Fernando

    ResponderExcluir
  10. O fosso continua crescendo entre ricos e pobres; nesse sentido é importante exercer nossa cidadania. Lauro

    ResponderExcluir
  11. Bom para refletir sobre os rumos de nossa vida. Maria

    ResponderExcluir
  12. O texto nos lembra como a independência do Estado ainda tem caminhos urgentes a serem questionados e resolvidos. Marcelo

    ResponderExcluir
  13. A forma de escrever nos ajudou a entender melhor a pobreza. Aldo

    ResponderExcluir
  14. Acabando de lê esse texto bem postado sobre utopia e pobreza dos brasileiros. Valeu. Augusto

    ResponderExcluir
  15. É verdade a ética de compadrio arruína as relações sociais. Hugo

    ResponderExcluir
  16. Sua atenção com as crianças em seus textos é uma referência para o desenvolvimento do Alagoas. Vinicius

    ResponderExcluir
  17. Isso Vinicius. Celso

    ResponderExcluir
  18. Uma boa forma de denunciar a pobreza em Alagoas. Rildo

    ResponderExcluir
  19. Interessante e oportuno. Geraldo

    ResponderExcluir
  20. Provocações, essa é uma palavra que gosto e que aplico ao texto. Muito boa a forma de comemorar o 7 de Setembro. Erik

    ResponderExcluir
  21. Concordo com o Erik.Alice

    ResponderExcluir
  22. A cana é um exemplo de instituição extrativista bem como a comunicação pública apropriada pelo governo de plantão em benefício próprio. Gabi

    ResponderExcluir
  23. Realmente o hino nacional brasileiro não demonstra nada da atual situação do Brasil. O governo é o único que tem as forças mostradas pelo hino, mas infelizmente o próprio governo guarda essas forças para si próprio, escondendo assim do povo brasileiro. Adiel Faustino.

    ResponderExcluir
  24. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  25. Nós temos um dos hinos nacionais mais belos do mundo em sua letra e música. No entanto, não conseguimos ainda conquistar muitas de suas estrofes.
    “E o sol da liberdade brilhou no céu da Pátria”, não condiz com a verdade, a começar pela maioria dos trabalhadores e aposentados do Brasil com um salário mínimo da vergonha, que escraviza nossa gente, pois apenas sobrevive sem nenhuma dignidade. O que dizer então das muitas bolsas oferecidas à legião de famintos e desamparados que não conduz a lugar algum, onde se dá um pedaço de “peixe” de modo paliativo, mas não se ensina a pescar.
    “Desafia o nosso peito a própria morte”, na busca de saúde nas longas filas de espera por um atendimento médico digno em hospitais e Pronto Atendimento pelo Brasil a fora; na esperança de não ser atingido por uma bala perdida ou na insegurança da Segurança Pública, ou ainda de encontrar a morte pelas péssimas condições das rodovias brasileiras.
    “Brasil, um sonho intenso de amor e de esperança”, cujas gerações vão se sucedendo e os sonhos se tornando utopias e a esperança morrendo ao longo do caminho das incertezas.
    “Gigante pela própria natureza, e o teu futuro espelha essa grandeza”, grandeza continental, mas teu povo migrou para as cidades em busca de dias melhores e construiu favelas gigantescas, cuja grandeza espelha uma outra realidade, a realidade da miséria, do abandono, das drogas, dos assassinatos, dos sem futuro.
    “Dos filhos deste solo és mãe gentil Pátria amada”. É a Pátria amada, porém é mãe não gentil dos filhos deste solo. Mãe que se preza jamais abandona seus filhos, pelo contrário, os acolhe haja o que houver com alegria e amor.
    “Deitado eternamente em berço esplêndido”. Acorda Brasil, teu povo clama por saúde, justiça, segurança, trabalho, salário justo, educação, moradia; clama por dignidade e respeito.

    ResponderExcluir
  26. Todo setembro, minha mãe conta a mesma história: "Na minha época, tínhamos que ficar perfilados todos os dias antes da aula começar para cantar o hino e hastearmos a bandeira. Na minha época tínhamos respeito ao país e aos seus símbolos."
    E após escutar isso, paro, penso e vejo que ela está certa, vejo que hoje as crianças não sabem nem o significado da palavra hino, o que dirá saber o hino nacional. No início de minha vida estudantil ainda vive essa experiência que minha mãe relata. E deve ser por isso que minha geração ainda tem algum respeito pelos símbolos do país.
    Aqueles que fingem ter respeito, na verdade, por preguiça, decorou apenas a primeira frase do hino, ou melhor, nem isso conseguiu decorar direito, mas a tomou como lei: "Deitado eternamente em berço..." E aí fica, deitado todo o ano, vendo impostos subir, preços absurdos praticados pelo governo, roubos, desvios, superfaturamentos. Mas há um minuto em que muitos acordam e vão as ruas. Que beleza! É lindo ver as ruas tomadas de brasileiros que grita, lutam, esbravejam... porque o "time do coração" perdeu mais um jogo ou o título. Todo dia perdemos um jogo para o preço da gasolina, do gás de cozinha, para falta de investimento em educação, saúde, segurança. Todo dia é um 7 a 1 diferente.
    Resta agora aprendermos a segunda estrofe da segunda parte e quem sabe conseguirmos um dia conquistar todo o restante do hino. "Em berço esplêndido".

    ResponderExcluir