domingo, 15 de outubro de 2017

Por que o abandono à CRIANÇA?


    Marcos Antonio Dantas de Oliveira[1]

   Se a riqueza gerada de bens e serviços [PIB] pelas 10 maiores economias do mundo é algo em torno de 50 trilhões de dólares, a do Brasil é de 1,77 trilhão de dólares  - https://www.suapesquisa.com/economia/maiores_economias_mundo.htm -, e no Brasil, hoje, os impostos arrecadados chegam a R$ 1,68 trilhão, a sonegação fiscal alcança a cifra de R$ 450,3 bilhões e a Lava-Jato confirma: os corruptores e os corruptos usurparam algo em torno de R$ 40 bilhões da sociedade.

   É muita grana desviada e pouca punição, enquanto, o Brasil é o sétimo país do mundo que mais mata crianças e adolescentes, 59 para cada 100.000 [Unicef]; e, mais de 17,3 milhões de jovens de zero a 14 anos de idade vivem na pobreza - https://www.ecodebate.com.br/2017/08/10/no-brasil-jovens-de-zero-14-anos-de-idade-na-linha-de-pobreza-chegam-402/

   Para além dos maus tratos alguns príncipes [uns pouquíssimos dentro população mundial de 7,6 bilhões de pessoas] que se apropriam dessa riqueza privada através da expropriação e da acumulação, da luxúria e da avareza, da corrupção e da impunidade; e esses poucos príncipes mantém o mal-estar da grande maioria da população, principalmente, das CRIANÇAS, em estado de penúria social, que é reforçada pela alta ineficiência do Poder Legislativo, do Poder Executivo e do Poder Judiciário.

   As famílias ocupadas recebem salários em nível de pobreza de seus patrões, por exemplo, 60% dos brasileiros ganham até um salário mínimo - "74% das casas com crianças de zero a 4 anos têm renda de até um salário mínimo per capita" [Exame. edição 1147]. 

  E o trabalho infanto-juvenil é um serviço que transfere muita renda para o capitalista, o industrial, o comerciante e o Estado. É uma forma perversa para preservar pais e filhos sem opções de escolhas múltiplas: da oferta do serviço à remuneração decente; da desobediência e ou ausência de marco legal às relações sociais, econômicas e ecológicas; do não acesso ao Artigo 6º - direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o transporte, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, da Constituição Federal; que agrava ainda mais a situação das CRIANÇAS impossibilitadas de ter uma alimentação diária com caloria suficiente para seu desenvolvimento muscular e intelectual, e de frequentarem a escola. Pais e filhos estão sob a dominação da divisão social e internacional do trabalho.

   Nesse meio tempo, na Índia, no Brasil, em Arapiraca as CRIANÇAS em qualquer coordenada geográfica, no campo ou na cidade, agora trabalhadoras em serviço penoso, no corte da cana-de-açúcar, na lavoura de fumo, na olaria, no lixão, na indústria, no comércio, e no desempenho de tarefas: como cuidar de pequenos animais, hortas e dos irmãos mais novos. É o setor agrícola quem mais usa essa mão de obra, e na agricultura familiar é mais intensa. Primeiro pelo hábito secular dos agricultores de que o trabalho das CRIANÇAS e dos adolescentes reforça o orçamento familiar. Não é verdade, porque o estado de pobreza é contínuo; decerto que, é perverso e à margem do Estatuto da Criança e do Adolescente / ECA[2].

   Outro infortúnio: a baixa nota do IDEB no país afeta a inteligência e a capacidade de aprender a ler, escrever, interpretar textos e quem não sabe não pensa bem - 1,68% dos alunos de Alagoas têm domínio de escrita [Tribuna Independente, 26/10/2017]. Com esse infortúnio muitas CRIANÇAS deixam de ir à escola para se prostituírem em troco de alguns poucos reais - ah, lembradas pela presença angelical nos prostíbulos - https://g1.globo.com/al/alagoas/noticia/operacao-contra-pedofilia-deflagrada-em-todo-o-pais-cumpre-mandados-em-maceio.ghtml ; e ou por alguns reais mais traficar drogas ou serem traficadas - http://www.ecodebate.com.br/2014/11/25/trafico-de-criancas-aumenta-e-meninas-sao-2-em-cada-3-criancas-vitimadas/E outro fato chama atenção: "Casamento infantil: Alagoas tem 12 mil casos de menores em uniões conjugais" [Tribuna Independente, 04/11/2017].
  
   É através desse trabalho indesejável que as CRIANÇAS e os adolescentes ora se mantém pobres, ora indigentes. É assim que 35,9% dos nordestinos entre 05 a 17 anos continuam em extrema pobreza, segundo o IBGE [2010]. E para prosperar, é necessário aumentar os anos de escolaridade e a renda familiar, e um governo eficiente, por exemplo – http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2014/03/fantastico-mostra-situacao-precaria-de-escolas-publicas-em-alagoas-em-pernambuco-e-no-maranhao.html

   Além disso, "Juízes e promotores de Justiça de todo país concederam, entre 2005 e 2010, 33.173 mil autorizações de trabalho para CRIANÇAS e adolescentes menores de 16 anos, o número equivale a mais de 15 autorizações judiciárias diárias, nos 26 estados e no Distrito Federal", segundo Ministério do Trabalho e Emprego. Uma afronta ao ECA. É um governo ineficiente - crianças ganham R$ 2,00 por semana em Santana de Ipanema, Alagoas – https://www.youtube.com/watch?v=dip1sTmo-2s
  
   Estudo feito pela USP [Pnad de 1995] revela: "As perdas acumuladas por pessoas que ficaram economicamente ativas dos sete aos 14 anos, e cuja idade em setembro de 1995 variava entre 21 e os 55 anos, representavam perto de 30% do PIB. Para termos ideia, ainda segundo o estudo, com R$ 11,3 bilhões [1,7% do PIB] seria possível estender à totalidade das CRIANÇAS trabalhadoras o programa de Bolsa Escola [Peti]; o que tiraria da ignorância milhares de trabalhadores-mirins de sete a 14 anos e elevaria seus ganhos salariais e, consequentemente, o PIB" [CIPOLA, 2001].

  O Brasil descumpre literalmente os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, principalmente aqueles ligados às CRIANÇAS rurícolas: erradicar a extrema pobreza e a fome; reduzir a mortalidade na infância; combater o HIV, a malária e outras doenças; atingir o ensino básico universal – http://blogdotarso.com/2013/03/28/finlandia-a-melhor-educacao-do-mundo-e-100-estatal-gratuita-e-universal/

  Está satisfeito com o fosso na alfabetização entre crianças ricas e crianças pobres - https://www.ecodebate.com.br/2017/04/06/no-brasil-alfabetizacao-entre-criancas-mais-ricas-e-seis-vezes-maior-que-entre-pobres/

 Logo, o Desenvolvimento Sustentável urge como uma rede dialética, de desinteresse mútuo, de liberdades fundamentais, que compartilhada pelas diversas categorias [conflitos e alianças] ao preservarem, conservarem e usarem os recursos naturais e os tributos [planejamento, gestão e ideia de negócio] transforma-os em bens e serviços [cogeração de valor]: do autoconsumo ao mercado, do PIB às rendas destinados ao bem-estar, intra e intergeracional [justiça social]. Uma concertação do pensar e do agir para empoderar as CRIANÇAS e os adolescentes pelo tirocínio escolar, inclusive, ao cursar uma faculdade poderão controlar a riqueza pública e a riqueza privada e assim usufruir dos vitais bens primários propostos por [John Rawls, Uma Teoria da Justiça, 2002] - autoestima, inteligência, imaginação, saúde e vigor, oportunidades, renda, riqueza, liberdades, direitos, da fase infantil à adulta para a prosperidade e para o bem-estar. É nosso dever avaliá-lo e corrigi-lo, se for o caso.

  É o caso de alguns bilhões de CRIANÇAS no mundo e, diz Varikas: "Ninguém deve ser reduzido a seu nascimento”.




[1] Mestre em Desenvolvimento Sustentável, engenheiro agrônomo, professor da Universidade Estadual de Alagoas/UNEAL, membro da Academia Brasileira de Extensão Rural/ABER, diretor do Sindagro. Blog: sabecomquemestafalando.blogspot.com 
[2] Para o Estatuto da Criança e do Adolescente/ECA é criança a pessoa até 12 anos incompleto, e adolescente aquele entre 12 e 18 anos de idade.

27 comentários:

  1. Essa sequência de textos nos faz ver quão real é a pobreza mundial, brasileira e alagoana. Vamos à luta? Stella

    ResponderExcluir
  2. Ler e avaliar esse artigo, é o nosso presente do dia da criança, obrigado Marcos. Celso

    ResponderExcluir
  3. Valeu pelo reflexivo texto. Claúdio

    ResponderExcluir
  4. "Ninguém deve ser reduzido a seu nascimento", reforça porque devemos cuidar bem da criança. Márcia

    ResponderExcluir
  5. Cuidadosamente pensado. Valeu. Mauricio

    ResponderExcluir
  6. Aplica o ECA é a garantia de proteção às crianças e os adolescentes, um dever da sociedade e do Estado. Vamos exercitar a cidadania. Vanessa

    ResponderExcluir
  7. Seu artigo é uma celebração à luta! Raimundo

    ResponderExcluir
  8. Como precisamos ler cada vez mais. Adelmo

    ResponderExcluir
  9. E o governo de Alagoas vai para a televisão dizer que a educação está melhorando. Oto

    ResponderExcluir
  10. Imagine, só 1,68% dos alunos do fundamental têm domínio da escrita.E o que se ver é propaganda do que o governo está cuidando da educação - que governo ineficiente. Tadeu

    ResponderExcluir
  11. vamos aproveitar e enterrar esses governo. Luís

    ResponderExcluir
  12. Além de crimes de morte, as crianças e adolescentes casam cedo - uma vida no caos. Para uma reflexão agora. Aristides

    ResponderExcluir
  13. Pelas notícias e observações feitas no texto, leio sempre. Ana

    ResponderExcluir
  14. Oportuno sua preocupação com a criança e mais ainda com as soluções. Maria

    ResponderExcluir
  15. Professor Marcos Dantas sempre fazendo os seus alunos e futuros administradores refletirem com relação ao trabalho infantil. Teremos a responsabilidade de erradicar esse tipo perverso de trabalho e fazer a diferença enquanto futuros gestores. José Marcos.

    ResponderExcluir
  16. Ótimo Artigo Professor Marcos Dantas, realmente o trabalho infantil, tanto nos grandes centros, quanto nas zonas rurais, são uma grande preocupação. É comum infelizmente esse tipo de situação com atividades que provocam sérios danos físicos e psicológicos em cada uma dessas crianças, afastando-as da escola e de uma infância decente. Larissa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns professor, como sempre o Sr. esclarecendo e encontrando soluções para alguns problemas sociais, é necessário mais pessoas com esse entendimento e leitura para abrir a mente de muitos.

      Excluir
  17. Infelizmente esse tipo de exploração é vista em grandes centros, como também em pequenas cidades, principalmente pelo valor de mão de obra ser baixa. Precisamos nos conscientizar e cobrar de nossos governantes mais políticas públicas para que pelo menos o número de crianças exploradas diminua. E a classe administradora tem papel importante para ajudar a minimizar essa situação.

    ResponderExcluir
  18. É de grande importancia, ainda encontrar-mos textos que nos mostre as necessidades ainda vividas pelas crianças. Cada dia que se passa só pioram as coisas. Parabéns ao professor Marcos Dantas, por seu total desempenho e principalmente por demonstrar importancia com os problemas do nosso cotidiano.
    Kelianny Amorim. UNEAL

    ResponderExcluir
  19. Felipe Júnio Soares / Adm 6p Uneal14 de dezembro de 2017 18:18

    Tudo isso só acontece por contas dos nossos corruptos governantes que só olham para o próprio rabo e não para a população, para as crianças, agricultores e tidos aqueles que necessitam de ajuda,e o governo só faz, se virar a quem colocam eles no poder.
    O que faz também isso acontecer é a falta de incentivo à leitura. Se uma criança começa a ler cedo,ela necessariamente vai obter mais conhecimento e vai querer estudar mais. Mas hoje com as condições vividas pela sociedade brasileira, tudo está se juntado pra os problemas sociais, como o trabalho infantil.
    Mas este artigo é de extrema importância pra nós alertamos e tenho certeza se alguns gestores lerem este artigo, traria muito conhecimento para tal.
    Felipé J Soares

    ResponderExcluir
  20. Deixo aqui a importância da conscientização da sociedade quanto aos interesses públicos, pois somos os maiores responsáveis pelas arrecadaçoes de impostos. Por isso precisamos adquir mais conhecimentos e buscar nossos direitos. Outro assunto que infelizmente é fechado os olhos, principalmente nas regiões com maior número de agricultores, é a exploração do trabalho infantil, que tem reduzido, porém precisamos de mais crianças presentes nas salas de aulas, possibilitando um mundo mais igual e sem miséria.
    Grande Abraço!
    Jonathan Henrique

    ResponderExcluir
  21. É inadmissível que em pleno século XXI isso continue acontecendo em nosso pais, especificamente com as crianças dessa classe social que vem ser quem mais sofre com tudo isso, é vergonhoso e triste ao mesmo tempo. A minha pergunta é: Quando isso vai mudar?
    Parabéns professor Marcos Dantas pelo seu maravilhoso trabalho.
    José Adailson

    ResponderExcluir
  22. Com poucas oportunidades de estudar, a criança que trabalha geralmente reproduz o perfil de outras gerações da família, que também trabalharam na infância. Sem a conscientização e direito a novas oportunidades que deveria ser garantido por meio de políticas públicas, dificilmente as crianças com este perfil conseguem romper o ciclo da pobreza e miséria de suas famílias.

    ResponderExcluir
  23. É um assunto muito interessante a ser abordado pois,muitas crianças perdem sua infantilidade quando crescem, pois quando foram crianças não tiveram a chance de brincar, estudar e aprender, penso no tanto de crianças que não tiveram a chance de se divertir enquanto criança, e estudar para quando crescer ter um bom emprego e uma vida melhor. Alana Katiely

    ResponderExcluir
  24. Abandonar os crianças vai muito além de simples esquecimento. Vivemos em um país de escândalos e escândalos, que notícia atrás de notícia ouve-se que foram desviados x milhões, foram superfaturados outros bilhões, e tudo se repete, mas ao mesmo tempo são vinculadas matérias compradas e feitas pelas três esferas do governo dizendo que os "investimentos não param" na educação, que isso e que aquilo. Abandonar as crianças é abandonar, desde já, os futuros jovens e adultos que decidiram os rumos do país. Fazer com que as crianças de hoje permaneçam sem acesso digno a educação é garantir que no futuro a corrupção continue como uma das melhores fontes de renda para os poucos que conseguirão vencer o abismo do abandono que o governo cada vez mais enlarguesse.
    Muitos olham para este abandono como simples esquecimento, quando na verdade, o esquecimento é nosso, ao eleger, a cada quatro anos, as mesmas pessoas, quer seja diretamente, quer seja indiretamente, por meio dos laranjas.

    ResponderExcluir
  25. A grande falta de conscientização do poder público, os incentivos a educação, a falta de novas oportunidades, tudo isso parece está se tornando mais difícil de ser alcançadas pelas novas crianças, principalmente por crianças vindouras de famílias carentes, de baixo convívio social. O que torna mas complexo a tentativa de quebrar o ciclo educacional adquiridas de pais, avós, famílias que possuem uma grande dificuldade no acesso a comunicação e aprendizado.

    Saulo Caetano

    ResponderExcluir