domingo, 13 de agosto de 2017

INDIGNE-SE, depois, EXPIE-SE!

Marcos Antonio Dantas de Oliveira[1]
             
 Homens e mulheres por viverem em meio a tantas incertezas e inseguranças, torna urgente e necessário diminuir ou erradicar o fosso social, econômico, ecológico e patrimonial entre os que têm muito e os que têm pouco bem-estar pelo usufruto dos bens primários propostos Rawls [Uma Teoria da Justiça] – autoestima, inteligência, imaginação, saúde e vigor, oportunidades, renda, riqueza, liberdades, direitos; o mal-estar dos agricultores e famílias, em pobreza extrema – “Pobreza extrema aumenta no Estado” [Gazeta de Alagoas, 3-4/12/2016].

  Vale lembrar que pobres com baixo nível de capital humano [desempregados, subempregados e empregados] não criam demandas por bens e serviços. E vão continuar deslocando e desacomodando suas famílias para atividades precárias e ilegais como prostituição infanto-juvenil e outras delinquências pelo descumprimento dos princípios da Administração Pública: legalidade, impessoalidade, moralidade, publicização e eficiência, pois, esses diminuem a quantidade de atividades ilegais, incrementam a receita do governo e desconcentram a riqueza, como exemplo, o uso do imposto progressivo. A dispersão da riqueza privada [propriedade privada, tecnologia, produção e consumo de bens e serviços] e da riqueza pública [preservação dos ativos naturais, patrimônio imaterial e uso dos tributos] aos bilhões de desafortunados no mundo é urgente – https://www.ecodebate.com.br/2017/08/10/no-brasil-jovens-de-zero-14-anos-de-idade-na-linha-de-pobreza-chegam-402/.

   Ora para o rico, ora para o pobre o uso, conservação e preservação dos recursos naturais, do patrimônio imaterial e do tributo, em geral, é trabalhado numa visão em que o custo de oportunidade do dinheiro, pois, ele é o que todo mundo quer, todavia, não pode ser abundante, está sempre em conformidade com as exigências do capitalista. E dessa lógica nenhum trabalhador, nenhum servidor público escapam, principalmente, os beneficiários da Lei 11.326/2006, doravante, agricultores familiares, esses continuam em seus hábitats usando suas mais-valias para garantir a continuidade do ciclo produtivo e consumista, a vida luxuriosa desses poucos ricos.

    Decerto que, essas categorias em seus hábitats sofrem acossamento por parte de uns poucos inclinados a instituirem, cada vez mais, novas prerrogativas em detrimentos dos seus modos de produção, consumo e entretenimento tão degradantes aos potenciais ecológicos e a certos princípios e valores culturais. E, nos ensina Capra [A Teia da Vida]: alfabetize-se ecologicamente para o uso e não uso dos recursos naturais – ao produzir, consumir, divertir-se e preservar. Pois, ”a pressão da sociedade sobre o indivíduo pode voltar, sob uma nova forma, a ser tão grande quanto nas comunidades bárbaras, e as nações irão se vangloriar, cada vez mais, de suas realizações coletivas em detrimento das individuais”, diz Russel [Elogio ao Ócio].

   Atentai! Instituições extrativistas econômicas e políticas promovem proposital e desproporcionalmente a pobreza brasileira e alagoana – dos 207,7 milhões de brasileiros, 23,4% têm renda de um salário mínimo por mês. Em Maceió/AL, cerca de 500 mil pessoas tem renda mensal de um salário mínimo – http://gazetaweb.globo.com/gazetadealagoas/noticia.php?c=310694, enquanto, vorazes parlamentares praticam o patrimonialismo e transformam o Congresso Nacional em capitanias hereditárias  - http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/de-pai-para-filho-as-%E2%80%9Ccapitanias-hereditarias%E2%80%9D-do-congresso/#0

 Atentai! Alagoas detém o pior IDHM do Brasil, entre tantas razões para tal fato, o desvio de dinheiro público, a idolatrada impunidade, a onipresença da ética de compadrio, a ineficiência dos serviços de educação, saúde e segurança públicas, pesquisa agrícola e extensão rural [principalmente, no Norte e Nordeste do país] e a apatia da maioria da sociedade, de certo modo, cúmplice dessa situação faz tamanho sucesso nos governos. Vive-se um caos. Dados do Portal da Transparência do Estado indicam que a Secretaria de Estado da Saúde, no período de 2010 a 2016, apenas mediante dispensas de licitação, cujos valores individuais foram menores ou iguais a R$ 8.000,00, contratou a importância total de R$ 237.355.858,91  http://maceio.7segundos.ne10.uol.com.br/noticias/2017/08/08/93372/video-pf-desarticula-esquema-de-desvio-r-237-milhoes-no-sus-em-maceio-e-arapiraca.html

    Pois, a acumulação de riqueza e outras prerrogativas são desfrutadas por pouquíssimos, e, há o desempregado rico que gasta fortuna na compra de bens e serviços de obsolescência precoce ou programada. E, há aqueles que vivem do sobretrabalho, do subemprego e do desemprego, são bilhões de desafortunados no mundo. Assim, o enfrentamento dessas situações exige a onipresença da cidadania para o cumprimento do contrato social posto ou por um novo contrato, ambos necessitam de ambiente institucional e não institucional em que floresçam e dispersem as instituições inclusivas, essas, quando políticas "asseguram a ampla distribuição do poder e restringem seu exercício arbitrário.", quando econômicas "geram uma distribuição mais equitativa de recursos, facilitando a persistência de instituições políticas inclusivas", descreve-nas Acemoglu e Robinson [Por que as nações fracassam].

  E, que a dialética como ferramenta de aproximação e liberdade entre as pessoas inculque nos detentores do PIB mais próspero a maximização de oportunidades patrimoniais, sociais, econômicas e ecológicas aos agricultores familiares, rurícolas e aos citadinos, e àqueles que os sucederem; assegure-os uma condição de vida para além da liberdade de produzir, consumir e entreter-se, do trabalho e do não trabalho à liberdade de escolhas múltiplas: cidadania e benefício, lazer e afeto.
   
    Não obstante, o progresso econômico tem na riqueza pública e na privada; no planejamento [e gestão] estratégico e na imaginação, criatividade, inovação, produtividade, mercado e segurança jurídica às condições para a eficiência dos sistemas de produção e distribuição dos bens e serviços de consumo; no mercado, a possibilidade de reinvestir uma parte os lucros; e no exercício das liberdades fundamentais, o bem-estar. Assim, os homens e as mulheres dignificam suas labutas diárias ao inovarem seus sistemas produtivos, de distribuição e de consumo; assim, poderão liberar não só para uns poucos, mais para bilhões de pessoas, o bem-estar. Por isso, é necessário e oportuno empreender usando a inovação disruptiva - que gera novos mercados de empregos, serviços e produtos. 

   E, segundo Brynjolfsson e McAfee [A Segunda Era das Máquinas], os “ativos intangíveis: propriedade intelectual, capital organizacional, conteúdos gerados pelos usuários e capital humano” precisam ser melhores mensurados nas estatísticas para garantir que, “todo indivíduo nasce com um legítimo direito a uma certa forma de propriedade ou seu equivalente” defendia Thomas Paine, em 1795; e, comunga desse legitimo direito, o bilionário, Mark Zuckerberg, do Facebook: a renda básica poderia ser parte da resposta - http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/08/1907853-por-que-o-facebook-deveria-nos-pagar-uma-renda-minima.shtml e http://br.blastingnews.com/sociedade-opiniao/2017/08/facebook-deveria-pagar-renda-minima-aos-seus-usuarios-entenda-001918995.html

   Exercite a cidadania, formule, execute e maximize as políticas públicas [inclusive, à família e à cultura]. Avalie-as. Corrija-as, e se for o caso, substitua o governo ineficiente para assegurar seu bem-estar usufruindo dos bens primários propostos por Rawls – autoestima, inteligência, imaginação, saúde e vigor, oportunidades, renda, riqueza, liberdades, direitos  o estado de direito.





[1] Mestre em Desenvolvimento Sustentável [engenheiro agrônomo], professor da Universidade Estadual de Alagoas/UNEAL, membro da Academia Brasileira de Extensão Rural/ABER, diretor do Sindagro. Blog: sabecomquemestafalando.blogspot.com 



26 comentários:

  1. O mesmo ponto de vista de Paine e Zuckerberg, sobre renda básica, é tempo de debater tal tema. Mauricio

    ResponderExcluir
  2. Os links sobre a pobreza em Alagoas e o sobre o Congresso Nacional nos revela caos social em que vivemos. Chico

    ResponderExcluir
  3. Colocar em discussão a renda básica, foi oportuna, vou divulgar esse seu texto, vamos incluir esses bilionários nesse jogo. Toninho

    ResponderExcluir
  4. Achei interessante a cobrança de Thomas Paine sobre renda básica e que o dono do facebook tem a disposição de levar adiante essa ideia. Gabi

    ResponderExcluir
  5. Os links postos confirmam como precisamos usufruir de bem-estar. Vanessa

    ResponderExcluir
  6. Vamos exercitar a cidadania. Benedito

    ResponderExcluir
  7. De fato, vivemos um Brasil de instituições extrativistas econômicas e políticas brutais. vamos reagir? Mariana

    ResponderExcluir
  8. Marcos
    Sou um assíduo leitor de seus artigos.
    Com o apreço de Severino

    ResponderExcluir
  9. Concordo com sua opinião e o parabenizo pela coragem e determinação.

    ResponderExcluir
  10. Finalizou bem, então, ao estado de direito. Claúdio

    ResponderExcluir
  11. Bem lembrado, os princípios da administração pública são importantes para avançar no bem-estar. Alberto

    ResponderExcluir
  12. Satisfeito com o texto. Celso

    ResponderExcluir
  13. Continue nessa estrada, nos levando à reflexões sobre o campo brasileiro. Rosa

    ResponderExcluir
  14. Um dos nossos problemas é o não exercício da cidadania. Concordo com você. Adolfo

    ResponderExcluir
  15. Se Maceió tem 1,029 milhão de habitantes ter 500 pessoas ganhando um salário mínimo, estamos perto do caos. Mauricio

    ResponderExcluir
  16. E os agricultores são os que mais sofrem com governo ineficiente. Ana

    ResponderExcluir
  17. Como sempre muito provocativo. Abel

    ResponderExcluir
  18. Continue indignado e expiando-se, parabéns pelo texto. Manoel

    ResponderExcluir
  19. Ótimo de ler. Benedito

    ResponderExcluir
  20. Um texto escrito de forma elegante para cobrar do governo o cumprimento de suas atribuições. Gilson

    ResponderExcluir
  21. Seus textos valem a pena ler: claros e objetivos. Rui

    ResponderExcluir
  22. No dia da Independência, descobro no texto quando falta fazem às liberdades reais. Antonio

    ResponderExcluir
  23. Concordo com o Gilson. Otávio

    ResponderExcluir
  24. Arretado de bom! Edgar

    ResponderExcluir
  25. Ao problemas e soluções levantados mostra que o texto é atual.Carla

    ResponderExcluir
  26. A contextualização feita nos permite muitas reflexões e ações. Rute

    ResponderExcluir