segunda-feira, 18 de abril de 2016

Viver BEM é para POUQUÍSSIMOS

Marcos Antonio Dantas de Oliveira[1]

Pois, o curso da história tem mostrado que os interesses privados, as ideologias, as éticas e o poder têm sobreposto às liberdades fundamentais, principalmente, a liberdade individual; essas devem forjar os valores, os princípios, as leis e as normas da convivência humana -   https://www.ecodebate.com.br/2016/04/18/assassinatosno-campo-explodem-em-2015/  

Dessa forma, é importante relatarmos os esforços em favor de um desenvolvimento fracassado, que acontece por não considerar os fatores: ecológico, demográfico, filosófico, cultural e afetivo; e toda a cadeia de relações existentes no centro de toda cultura; no caso, o estilo de vida rural e suas estreitas relações com a terra, com a natureza e com o citadino.

Ademais, esse modo de vida é subdimensionado e subavaliado na maioria dos projetos de desenvolvimento. E os beneficiários da Lei 11.326/2006 e outros rurícolas sentem a lógica de suas reproduções culturais – natureza e mitos, cultivos e extrativismos, suor e mais-valia, sucessão e posse, patrimônio imaterial e bem-estar em Rawls - que se dar pelo usufruto de bens primários: autoestima, inteligência, imaginação, saúde e vigor, oportunidades, renda, riqueza, liberdades, direitos -, escapar-lhes por entre os dedos.

Entrementes, os beneficiários da Lei 11.326/2006 em seus habitats sofrem acossamento por parte de uns poucos inclinados a instituir, cada vez mais, novas prerrogativas em detrimentos dos seus modos de produção, consumo e entretenimento tão degradantes aos potenciais ecológicos e valores culturais. Aliás, ”a pressão da sociedade sobre o indivíduo pode voltar, sob uma nova forma, a ser tão grande quanto nas comunidades bárbaras, e as nações irão se vangloriar, cada vez mais, de suas realizações coletivas em detrimento das individuais”, diz Bertrand Russel.

Convém ressaltar que o sistema capitalista baseia-se em uma ordem, numa ética, em que os atores evoluem e se comportam de acordo com normas que assegurem o fluxo da vida econômica [produz muita riqueza para uns pouquíssimos e muito egoísmo] – apropriação, lucro e acumulação de rendas e riquezas – e a reprodução do capital. E, também, danos sociais [como impunidade e corrupção, por exemplo operação Lava-jato], e danos ecológicos [como perda da biodiversidade, por não cumprir o Código florestal] e patrimoniais [como a pouca riqueza privada de muitos, o alto imposto regressivo e a insegurança jurídica], principalmente, aos beneficiários da Lei 11.326/2006, aos rurícolas e suas famílias, que são abrandados pela hipnótica mídia e ética normativa geradas pelos príncipes, pelos que dão ordens e pelos os que dão conselhos. 

Não obstante esse sistema continua produzindo muita riqueza privada e pública. E mesmo com o PIB mundial em torno de 100 trilhões de dólares o fosso entre pobres e ricos é brutal e crescente; porquanto, é um acinte que essa riqueza gerada continue aumentando a desigualdade em todos os aspectos da vida circular de homens e mulheres em qualquer quadrante terrestre, esteja sobre a prática do ensinamento de Maquiavel – “aquele que promove o poder de um outro perde o seu...”- em Alagoas, Maquiavel impera.
Nesse sentido, não há nenhuma razoabilidade no excesso de bens de uns poucos e na carência de bens de muitos, já observava o filósofo Aristóteles. Entretanto, a concentração de renda e de poder gerou um colonialismo ambiental grave, exercido pelos ricos, entre países e dentro dos países, sobre os pobres. Nunca os problemas ambientais foram tão graves – o homem assume-se como “um fazedor de desertos” [Euclides da Cunha: Os Sertões]  as dimensões são globais. Nunca a liquidação das culturas tradicionais foi tão perversa e global.

Portanto, continua prevalecendo, o projeto e a prática senhorial sobre os recursos naturais e os tributos, indo de encontro aos interesses da maioria das nações, dos rurícolas, dos beneficiários da Lei 11.326/2006 e suas famílias e, como resultado: os insustentáveis estilos de vida desses beneficiários e dessa geração comprometem os das futuras gerações. http://g1.globo.com/distrito-federal/noticia/2015/09/vulnerabilidade-social-cai-mas-ainda-e-alta-no-norte-e-no-nordeste-diz-ipea.html

De modo que, o enfrentamento desses conflitos pelos beneficiários da Lei 11.326/2006, pelos familiares e pelas comunidades, enfim, pelos brasileiros em um contexto local e mundial em transformação, é o de provocar uma alteração social equitativa nos benefícios e encargos da cooperação social resguardada por uma governança baseada nos princípios da Administração pública e na multidimensão do Desenvolvimento sustentável. É o de afirmar os valores democráticos [liberdade, igualdade e fraternidade], e a eles se ajustar sem negar-lhes a riqueza de elementos de suas tradições, e assim, elevar o bem-estar pelo usufruto dos bens primários em Rawls [autoestima, inteligência, imaginação, saúde e vigor, oportunidades, renda, riqueza, liberdades, direitos], pensando e agindo como cidadãos iguais e livres.




[1] Mestre em Desenvolvimento Sustentável, membro da Academia Brasileira de Extensão Rural/ABER, professor da UNEAL, extensionista da EMATER-AL/Carhp, diretor do SINDAGRO, articulista da Tribuna Independente, Maceió/AL - publicado na Tribuna Independente.                                                                   Blog:   sabecomquemestafalando.blogspot.com

25 comentários:

  1. Claro e oportuno! Ari

    ResponderExcluir
  2. Suas colocações sobre bem-estar são oportunas. Ricardo

    ResponderExcluir
  3. Sua chamada sobre o ensinamento de Maquiavel é interessante e reflexiva. Aldo

    ResponderExcluir
  4. De fato viver bem é o objetivo do homem. Rui

    ResponderExcluir
  5. O texto reflete muito bem a situação caótica em que vivemos. Por isso, você nos alerta, devemos exercitar a liberdade individual e o da cidadania para seguirmos rumo ao bem-estar. Stella

    ResponderExcluir
  6. Boa observação, Stella

    ResponderExcluir
  7. A citação de Aristóteles sobre excesso e carência consubstanciou esse texto que trata das desigualdades entre as pessoas. Parabenizo-o. Ivo

    ResponderExcluir
  8. Um texto sensível aos dias difíceis dos agricultores familiares, mas também sugere soluções. Artur

    ResponderExcluir
  9. É verdade, Maquiavel sempre presente há pelos 500 anos na vida dos príncipes. Precisamos romper essa situação. vanessa

    ResponderExcluir
  10. Aplausos!!! Roberto

    ResponderExcluir
  11. Caro Marcos Dantas parabéns pelo crítico artigo sobre desigualdade social e concentração de renda.
    Kleber

    ResponderExcluir
  12. Suas indagações estão em consonância com o momento em que os que têm menos, vivem numa pobreza que é secular. Valter

    ResponderExcluir
  13. Muito interessante e oportuno. Carlos

    ResponderExcluir
  14. Falta-nos o exercício dos princípios da administração pública. Edson

    ResponderExcluir
  15. Um artigo sensível ao exercício da cidadania e da liberdade individual. Jason

    ResponderExcluir
  16. Intenso para esse 1 de maio. Cecília

    ResponderExcluir
  17. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  18. Concordo plenamente. Gustavo

    ResponderExcluir
  19. parabenizo pela crítica tão atual. Lúcia

    ResponderExcluir
  20. Nesse Brasil a única ética que funciona é a do compadrio. André

    ResponderExcluir
  21. As representações dos técnicos do setor agrícola e a dos agricultores familiares precisam se posicionar sobre a ineficiência do governo municipal, estadual e federal, se não os agricultores familiares vão continuar empobrecendo. Susana

    ResponderExcluir
  22. Atual esse artigo, marcos. Geraldo

    ResponderExcluir