domingo, 3 de maio de 2015

Por que continuar À TOA?

Marcos Antonio Dantas de Oliveira[1]

  Será que os 'donos do mundo', seguidos daqueles que dão ordens e daqueles que dão conselhos, estão certos, a desigualdade vem diminuindo?
      
  No Brasil, PIB em queda livre, inflação alta, corrupção impune, desemprego em ascensão, poupança em baixa, estado ineficiente, governo [poderes constituídos] sem credibilidade, sociedade apática, a desigualdade econômica e social continuará em alta - a participação na renda total dos 10% mais pobres em 1960, era de 1,9%, cinquenta anos depois regrediu, em 2011 foi de 1,6%; e a renda dos 10% mais ricos que era de 39,6% praticamente continuou a mesma 39,3%. Ouça agora Dona Severina, acessando https://www.youtube.com/watch?v=fk70CFfO7rE&hootPostID=6e822c5b70bff6b0fed962ffdc008dbd
                 
  Em Alagoas, vida caótica, mais de 60% da população ganha até ½ salário, em maioria, rurícolas, beneficiários da Lei 11.326, trabalhadores de aluguel e suas famílias - http://www.revistaforum.com.br/blog/2015/05/pl-da-terceirizacao-ira-precarizar-trabalhadores-rurais-apontam-movimentos-do-campo/
                                       
  E Maceió e Arapiraca, principalmente por êxodo rural como por empobrecimento de citadinos, a favelização. Essa miséria está em expansão, pela pouquíssima renda ao maltrato a natureza, pelo trabalho familiar penoso ao ineficiente serviço de pesquisa agrícola e extensão rural estatal e não estatal, pelo precário serviço de saúde e educação à crescente violência: roubos e homicídios, trabalho e prostituição, também por aqueles de menor de idade – http://www.ecodebate.com.br/2014/11/25/trafico-de-criancas-aumenta-e-meninas-sao-2-em-cada-3-criancas-vitimadas/
              
  Outro dado, o déficit habitacional rural em Alagoas é de 40.000 lares (Ministério das Cidades, 2005). Portanto, é necessário que essas categorias, principalmente, os jovens rurais convoquem seus pares para acompanhar qualquer movimentação que inviabilize o Programa Nacional de Habitação Rural/PNHR. Por exemplo, hoje é comum os construtores contratarem o teto máximo permitido; contudo, o teto deve ser usado em função da renda do proponente e da disponibilidade desses recursos para outras famílias. E a não observância desses critérios pode gerar inadimplência, e com isso inviabilizar o programa Minha Casa, Minha Vida Rural, à vida daquelas que optaram por viver e trabalhar no campo, principalmente.   
                
  A solução para o usufruto do bem-estar, do problema de pobreza multidimensional implica necessariamente no acesso e no usufruto dos bens primários, em Rawls, [autoestima, inteligência, imaginação, saúde e vigor, oportunidades, renda, riqueza, liberdades, direitos]; pelo acesso aos recursos naturais, principalmente, terra e água; pelo aumento do valor da produção por hectare e por estabelecimento, incremento esse muito dependente da inovação, da produtividade de todos os fatores, da gestão, da legislação trabalhista e ambiental, e da política pública; pelo acesso aos mercados [nacional e internacional] com regularidade com produtos dentro dos critérios estabelecidos pelo serviço de saúde pública; pela geração de rendas [incluídas as não produtivas] capazes de assegurar aos beneficiários da Lei 11.326, a efetivação do artigo 7º da Constituição federal, bem como assegurar os tributos como riqueza de todos.
                    
  Então, é oportuno incrementar e aprimorar o serviço de extensão rural estatal, realçando-se as empresas de pesquisa agrícola e assistência técnica e extensão rural pela sua capilaridade e pelo referencial no mercado de trabalho e salários para os profissionais que atuam direta e indiretamente na área. E também a extensão não estatal precisa ter seu papel ampliado na agricultura familiar. O serviço público de pesquisa agrícola e extensão rural estatal e não estatal, não deve ser um jogo de soma zero.
                
 Ademais, para manter a população em pequenos municípios usufruindo de bem-estar, exige-se que o Estado dê conta de suas atribuições: garantir o estado de direito, a arrecadação e a distribuição dos tributos, e com isso, melhorar as condições das estradas vicinais e da energia elétrica, da educação e da saúde, dos serviços de comunicação e de informação, da segurança jurídica e da pública, da política agrária e da agrícola, dos conselhos [com maioria da sociedade civil] de saúde, educação, agricultura, tutelar... .

 E os jovens sem opções migrarão, não farão à sucessão quando seus pais se afastarem das lides nas quais construíram seu bem-estar. Jovens rurais alagoanos estiveram em encontro nacional sobre políticas para juventude, encerrado em 30 de abril, em Brasília – http://radioagencianacional.ebc.com.br/politica/audio/2015-04/manifestacao-por-politicas-para-juventude-rural-vai-encerrar-encontro-no-df

  É da conta da sociedade a geração, o uso e o controle [vigiar e punir os infratores] da riqueza privada e da pública para seu bem-estar.

  Por que continuar à toa?  Avante, como cidadão livre e igual!!




[1] Mestre em Desenvolvimento Sustentável, membro da Academia Brasileira de Extensão Rural/ABER, professor da UNEAL, extensionista da EMATER-AL/Carhp                                                                                                                        Blog:sabecomquemestafalando.blogspot.com   

17 comentários:

  1. Só com o exercício da cidadania avançamos. Jason

    ResponderExcluir
  2. Uma ótima provocação esse seu texto. Ricardo

    ResponderExcluir
  3. Muito interessante seu texto, acho que deveria, entretanto, fazer comparações em diversos setores por décadas, não podemos negar os avanços brasileiros nem os retrocessos internacionais, nem também negar o esforço de milhões de brasileiros nos bancos escolares, universidades, industria, zona rural, tampouco o crescimento populacional. Um forte abraço.

    ResponderExcluir
  4. Li e texto e assisti com atenção a situação de penúria de Dona Severina. Muita mídia para pouco resultado. Vera

    ResponderExcluir
  5. Estou refletindo seu texto. Claúdio

    ResponderExcluir
  6. Dar atenção para nossas crianças deve ser um dos nossos objetivos de vida. Gabi

    ResponderExcluir
  7. falta leitura para o exercício da cidadania. Paulo

    ResponderExcluir
  8. Acredito que é a partir destes entraves que nosso país acabará encontrado o caminho certo. Pois, é sabido que aprendemos com os erros e através deles crescemos. Por isso sempre vejo como MUITO POSITIVA suas provocações e reflexões. Parabéns Marcos, por mais esse artigo. Thereza Christina

    ResponderExcluir
  9. Saúde pública, sempre em descaso pelo governo. Chico

    ResponderExcluir
  10. Repito Cristina: muito positiva suas provocações e reflexões. Davi

    ResponderExcluir
  11. Jovens continuam com dificuldades de acesso à terra. Hélio

    ResponderExcluir
  12. Sempre nos provocando. Antonio

    ResponderExcluir
  13. A atenção às crianças em seus textos, nos mostra que há esperanças para melhorar suas condições de vida. Stella

    ResponderExcluir
  14. Assertivo em suas colocações. Oto

    ResponderExcluir
  15. Assisti dona Severina, comentando sobre sua pobreza, e ficou claro quem o governo prefere. Susana

    ResponderExcluir
  16. Os ricos.... . Manoel

    ResponderExcluir
  17. Prezado Marcos

    É doloroso mas verdadeiro o quadro que voce expõe. De qualquer
    forma seria pior se não tivesse havido alguns avanços na melhoria do quadro
    social e mitigação da pobreza nos últimos 15 anos.

    Foram 500 anos de atraso impostos pela Casa Grande !!!

    Temos problemas no Executivo mas o tumor maligno que impede
    avanços na questão das desigualdades está situado no PODER LEGISLATIVO.
    Este Congresso que aí está é um esgoto. E o JUDICIÁRIO faz justiça
    seletiva porque determinado grupo é intocável e parece que sonegação no
    país não é crime!!! Veja os casos do HSBC e o CARF que são simplesmente
    vergonhosos.

    E que dizer desta mídia podre capitaneada pela GLOBO e a VEJA
    que me manipularam durante 20 anos e continua empulhando a maioria do povo
    brasileiro. A chamada IMPRENSA/EMPRESA. Severino

    ResponderExcluir